Home » » Heart Beat

Heart Beat

 "The heaviest of burdens crushes us, we sink beneath it, it pins us to the ground. But in love poetry of every age, the woman longs to be weighed down by the man's body.The heaviest of burdens is therefore simultaneously an image of life's most intense fulfillment. The heavier the burden, the closer our lives come to the earth, the more real and truthful they become. Conversely, the absolute absence of burden causes man to be lighter than air, to soar into heights, take leave of the earth and his earthly being, and become only half real, his movements as free as they are insignificant. What then shall we choose? Weight or lightness?"

 In The Unbearable Lightness of Being by Milan Kundera


Caminhamos curvados, carregando nos ombros o peso de uma vida de dissabores, de escolhas trémulas, de rotinas esmagadoras, de sentimentos fechados a cadeado, de vontades reprimidas, de identidades escondidas. Caminhamos com o sentimento de contentamento, de resignação, numa apatia ridícula, numa omissão de auxílio ao nosso próprio ser. Deixamo-lo enterrar-se em areias movediças, esquecemo-nos de o cuidar, sobrevivemos. Só que, acontece sempre sem darmos conta, um dia, nas escadas da vida, provamos um beijo com sabor a chuva e o peso avassalador transforma-se de imediato numa leveza arrebatadora. Caminhamos nas nuvens, de sorriso estampado no rosto, sonhamos acordados, desejamos com todos os poros da nossa pele. Entregamos a chave de um coração que até ali cumpria apenas as suas obrigações e passamos a depositar nele a esperança de palpitar até à exaustão, de um tudo ou nada. Soltamos os sentimentos enclausurados, perdemo-nos num corpo que contém a alma mais bonita, a alma que nos completa, que nos faz sentir únicos, que se encaixa em nós como duas mãos entrelaçadas a passear na rua. Construímos um mundo privado, um mundo que mais ninguém conhece, somos felizes lá. Viciamo-nos nas sensações que aquela voz nos provoca, das palavras ora intensas, ora doces. Viciamo-nos no rosto distraído que pensa em voz alta e nos sorri quando nos surpreende a observá-lo. Viciamo-nos no aroma característico, ímpar, que emana da pele que nos abraça, que nos envolve e nos cuida. Viciamo-nos no toque de umas mãos irrequietas que tanto nos serenam como nos incendeiam. Viciamo-nos no olhar cansado e dormente, terno e doce, enfurecido e fogoso. Viciamo-nos no sexo que nos enlouquece, na língua que nos devora, nas investidas audazes e certeiras, nos orgasmos partilhados, no abafar dos gemidos, no degustar do corpo que amamos sentir colado ao nosso, na partilha, na cumplicidade. Entramos num caminho sem retorno. Apaixonamo-nos.

0 commentaires:

Enregistrer un commentaire

 
Support : Copyright © 2015. movie horns - All Rights Reserved